Prêmio Sem Noção - Gadim Brasil

 

Campanha da Vogue sobre Paralimpíadas ganha o primeiro Prêmio Sem Noção

#PremioSemNocao

Há menos de 1% de personagens com deficiência na mídia. Só 5% deles são representados por atores com deficiência. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Logo Sem Noção Gadim Brasil. Atriz morena com macaquinho preto com braço direito amputado, ator moreno, de barba, com bermuda preta e prótese de gancho na perna direita.

 

A Gadim Brasil acaba de ser lançada para orientar profissionais de mídia sobre como falar sobre deficiência de maneira construtiva e baseada nos direitos humanos.

Já sabíamos que teríamos trabalho nesses tempos de Paralimpíadas, mas não que trombaríamos com um case tão gritante logo de entrada: a já icônica campanha da Vogue, produzida pela Agência África,  #SomosTodosParalimpicos , com fotos manipuladas por Photoshop dos atores globais Cleo Pires e Paulo Vilhena, mostrando membros amputados.

Em homenagem à campanha, decidimos lançar o Prêmio Sem Noção - Gadim Brasil, que repassamos à equipe envolvida. 

Mas quais são os problemas da campanha?

1 - Ela rouba o protagonismo dos atletas com deficiência usando atores sem deficiência rpara representar pessoas com deficiência. A isso damos o nome de capacitismo - considerar pessoas com deficiência inferiores a pessoas sem deficiência. Será que os artistas e idealizadores da campanha desconhecem o movimento de ativistas para que pessoas com deficiência sejam representadas por atores com deficiência? Sabem que o lema do movimento é justamente "Nada sobre nós, sem nós?" Quem se dispõe a ser Embaixador das Paralimpíadas deveria ter se informado melhor.

Qual é a diferença disso para o Black Face - atores brancos com o rosto pintado de preto para representar negros? A isso damos o nome de racismo.

Ou atores homens vestidos de mulher representando personagens femininas. A isso damos o nome de machismo. 

2 - Ela parte do princípio que vale tudo pela visibilidade. Basta colocar celebridades ao lado de uma hashtag SomosTodos para promover qualquer coisa.

3 - Ela usa a palavra paratletas, no lugar de atletas paralímpicos. Os atletas paralímpicos são atletas. Ponto. E não paratletas, semiatletas 

4 - O diretor de arte Clayton Carneiro, da revista Vogue declarou: ""Participar da campanha foi uma honra para mim. O clima no estúdio era de total felicidade e orgulho. Paulinho Vilhena e Cleo Pires fizeram um lindo discurso antes de começarmos a fotografar que emocionou a todos os envolvidos. E para quem não sabe, a ideia toda da campanha foi da embaixadora das Paralimpiadas, Cleo Pires. A gente sabia que seria um soco no estômago, mas estavamos lá por uma boa causa, afinal, quase ninguém comprou ingressos para ver os jogos paralímpicos"", 

Vejamos: - o clima no estúdio era de total felicidade e orgulho (que outro clima poderia se esperar? Infelicidade por se tratar de pessoas com deficiência? Orgulho por estar participando de uma iniciativa tão "meritória" pra esses pobrezinhos?)

- Paulinho Vilhena e Cleo Pires fizeram um lindo discurso que emocionou a todos (tadinhos dos deficientes, eles precisam da nossa ajuda, e nós somos tão legais de estarmos aqui nos doando para essa causa).

- Quase ninguém comprou ingressos para ver os jogos (e sem dúvida, ver dois atores amputados digitalmente vai fazer o público sentir o ímpeto de correr para as bilheterias!)

5 - Já ouviram falar em pornografia inspiracional? Então aprendam com a ativista Stella Young:

https://www.ted.com/talks/stella_young_i_m_not_your_inspiration_thank_you_very_much?language=pt-br

A atriz Cleo Pires resolveu fazer um vídeo para explicar a campanha para quem não entendeu:

https://www.facebook.com/profile.php?id=1762437205&fref=ts

Desculpe, mas não tem explicação, Cleo.  Visibilidade é muito bem-vinda para promover a acessibilidade, inclusão e reduzir o preconceito, mas não a qualquer custo. "Boas intenções" podem prejudicar mais do que ajudar.

Esperamos, sinceramente, que a campanha seja suspensa e que uma retratação seja feita por respeito às pessoas com deficiência.

Não deixem de ler nosso Manual para a Mídia com dicas para falar sobre deficiência e, da próxima vez, podem consultar a GADIM que teremos prazer em ajudar.

 

Reprodução

Menos de 1% de personagens com deficiência na mídia

 

Além das questões de representatividade e capacitismo apontadas acima, a campanha da agência África com Cleo Pires e Paulo Vilhena, que causou rejeição por mostrar os atores com membros amputados por photoshop, remete a um problema ainda maior - a invisibilidade das pessoas com deficiência na mídia.

 

O segmento das pessoas com deficiência é a maior das minorias, cerca de um bilhão de pessoas no mundo, aproximadamente 11% da população, de acordo com a OMS. 

A exclusão começa nas estatísticas. No mundo todo há pouquíssimos estudos quantitativos e qualitativos que meçam a presença de pessoas com deficiência na mídia. No Brasil não conheço nenhum (por favor, se conhecerem avisem). 

 

Nos Estados Unidos a Glaad, que trabalha promovendo a imagem da população LGBT junto à mídia há mais de 30 anos, publica anualmente um relatório chamado - Aonde estamos na TV, em que é feito um levantamento dos personagens representantes de grupos minoritários em programas transmitidos nos Estados Unidos. No relatório de 2015, houve menos de 1% de personagens com deficiência na telinha.

 

Outra organização americana, a Ruderman Foundation, fez um levantamento em 2015 sobre os personagens com deficiência representados por atores com deficiência. Pois dentre o 1% achado pela Glaad, apenas 5% eram atores com deficiência. Ou seja, 95% dos personagens com deficiência eram representados por atores sem deficiência.

 

Ou seja, campanhas como a estrelada por Cleo Pires e Paulo Vilhena não são privilégio do Brasil.

 

Mas frente a esses números, nossa voz tem que se alçar ainda mais alto! Ao invés de usurpação de representatividade, são necessárias ações afirmativas para inserir as pessoas com deficiência na mídia, de modo a acelerar o processo de inclusão. 

 

Não consigo imaginar melhor cenário do que as Paralimpíadas para que isso ocorra. Portanto, não vamos desperdiçar essa chance para combater a exclusão, que se reflete na vida real, e de quebra ainda promover o acesso ao mercado de trabalho.

Somos Todos Paralímpicos: a campanha com Cleo Pires e Paulinho Vilhena

http://vogue.globo.com/moda/moda-news/noticia/2016/08/somos-todos-paralimpicos-campanha-com-cleo-pires-e-paulinho-vilhena.html?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=post

Abaixo, a rápida resposta do Sensacionalista.

Após Paulinho Vilhena e Cleo Pires como deficientes, Vogue terá editorial sobre cultura africana com modelos escandinavos

http://www.sensacionalista.com.br/2016/08/24/apos-paulinho-vilhena-e-cleo-pires-como-deficientes-vogue-tera-editorial-sobre-cultura-africana-com-modelos-escandinavos/

Dados citados: http://www.gadim.org/#!what-we-do/t5jzr

Por Patricia Almeida, jornalista, mestranda em Estudos da Deficiência e criadora da Gadim.

  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
  • White Google+ Icon
Gadim Brasil - Aliança Global para Inclusão das Pessoas com Deficiência na Mídia e Entretenimento